Por Drª Maria Claudia Brito [Fonoaudióloga]. Se aos 2 ou 3 anos a criança não fala busque ajuda!

 

Meu Filho tem 2 Anos e Ainda Não Fala. Isso pode ser um problema?

Em função do número de famílias com crianças entre 2 ou 3 anos de idade que têm me procurado com dúvidas muito parecidas, escrevo este breve artigo.

As dúvidas a que me refiro dizem respeito à possibilidade ou não de o atraso de fala em crianças pequenas (com pouco mais de 2 anos) significar algum problema no desenvolvimento da criança.

Embora a identificação e intervenção precoces sejam consensualmente importantes para crianças com autismo/transtornos do espectro do autismo e também para crianças com atrasos ou dificuldades de comunicação não relacionados ao autismo, muitas famílias relatam sentirem-se desamparadas ao notarem que o desenvolvimento de linguagem de seus filhos está diferente do que seria esperado para a idade.

Mesmo quando a própria família percebe o atraso, muitas vezes é desencorajada a procurar ajuda ou após uma avaliação o profissional recomenda que aguardem a criança “crescer um pouco” ou “ser muito pequena” para dar início a intervenções.

Se há atraso constatado de atraso no desenvolvimento de linguagem a recomendação de aguardar é a princípio totalmente inadequada.

Para compreender o que está ocorrendo, é preciso avaliar todos os aspectos envolvidos como: o contexto familiar, escolar, ambiente em que a criança vive, etc. A partir deses dados será possível ao profissional indicar se é necessário ou não intervenção direcionada e específica ou se a conduta seria apenas oferecer orientações para que família e escola auxiliem no desenvolvimento de linguagem da criança.

O atraso pode estar relacionado a um ambiente que não favorece o desenvolvimento da linguagem, como por exemplo, quando a criança não convive com outras crianças, não está na escola e os adultos não conversam e/ou brincam com ela, mesmo que ela ainda não fale. Há também a possibilidade de o atraso ou dificuldade estar relacionado à alguma patologia ou a algum transtorno do desenvolvimento. Em ambos os casos, há a possibilidade de ajudar a criança e sua família desde muito cedo, se assim for necessário.

Contudo, É FUNDAMENTAL ATENTAR para a importância da intervenção precoce e para o fato de que a partir do momento em que se há uma dificuldade no desenvolvimento da linguagem é possível intervir e assim visar um melhor prognóstico (evolução) da criança.

Listo abaixo alguns sinais mais evidentes que as próprias famílias e professores da educação infantil podem perceber sobre atraso de linguagem em crianças:

 - 6 ou 7 meses de vida: a criança não balbucia; Por exemplo: sons feitos com a boca, como “bababa”, “mamama”

- 1 ano e 1 ano e meio: a criança não pronuncia nenhuma palavra isolada. Por exemplo: mamã” para mamãe, “Papá” para papai, “tete” para mamadeira, “auau” para cachorro

-  2 anos: a criança não forma nenhuma frases curta. É natural que troque alguns sons ainda nesta idade, mas já consegue se fazer entender por meio frases curtas com duas ou três palavras e uso da palavra “não”, por exemplo.

- 3 anos: algumas frases mais complexas. As crianças já utilizam artigos “a”, “o”; pronomes “eu”, “meu” “ele” e advérbios de lugar “aqui” “ali” “lá”

Estes sinais não pretendem tecer um diagnóstico, não são os únicos que podem ser observados e não necessariamente são parte de um problema. Eles foram listados neste texto, por serem relativamente mais fáceis de serem percebidos por pessoas que não são profissionais. Estes sinais são indicativos de que é necessário investigar melhor.

A partir da suspeita, é importante buscar ajuda o mais rápido possível. Quando perceber que uma criança apresenta ausência ou atraso de linguagem em comparação com outras crianças de mesma idade ou comparando com algumas características descritas neste artigo.

Caso, o profissional especializado observe que de fato há um atraso no desenvolvimento da linguagem da criança, uma intervenção poderá ter início desde muito cedo. Quanto mais precocemente ocorrer a intervenção melhores podem ser as possibilidades de desenvolvimento da criança.

A intervenção precoce, quando necessária e conduzida adequadamente, pode trazer melhores resultados para a comunicação oral, para o desenvolvimento de habilidades sociais e para o futuro processo de alfabetização.

Portanto, se aos 2 ou 3 anos a criança não fala busque ajuda!

SEJAM SEMPRE BEM VINDOS AQUI! OS SENHORES SÃO MEUS CONVIDADOS E FIQUEM À VONTADE PARA DEIXAR SEUS COMENTÁRIOS SE ASSIM DESEJAREM! ABRAÇOS! Drª MARIA CLAUDIA BRITO

 

Maria Claudia Brito - Fonoaudióloga - Atende em Consultório na cidade de Bauru/SP. Pós-Doutora e Doutora (PhD) em Educação, Mestre em Psicologia (todos com ênfase em Autismo), UNESP/SP. Professora Universitária, Pesquisadora do CNPq/SET-A em Autismo, Robótica e Linguagem e do Grupo de Pesquisa CNPq Diferença, Desvio e Estigma, UNESP/SP. Diretora do Instituto Nacional Saber Autismo.

Voltar