Foi analisado o perfil comunicativo de crianças com síndrome de Asperger e as estratégias utilizadas por professoras na comunicação com esses alunos no ensino regular.

 

 

Síndrome de Asperger, Comunicação e Estratégias de Professores

        A pesquisa investigou o perfil comunicativo de crianças com síndrome de Asperger e as estratégias utilizadas por professoras na comunicação com esses alunos no ensino regular.

 

        Participaram cinco crianças, gênero masculino,idades entre cinco e oito anos, com síndrome de Asperger, que frequentavam Educação Infantil e Ensino Fundamental e suas professoras. A caracterização da amostra foi feita por meio de uma Ficha informativa e da Escala de Traços Autísticos.

 

        O perfil comunicativo das crianças e os recursos utilizados pelas professoras foram analisados por meio das filmagens realizadas.

 

        Os resultados indicaram que as professoras iniciaram mais a comunicação do que seus alunos com síndrome de Asperger e os recursos utilizados por elas foram: 1- objeto concreto; 2- gesto;3- escrita; 4-verbalização.

 

       Embora todas as professoras tivessem 10 ou mais anos de experiência docente e conhecimento do diagnóstico de seus alunos, os recursos utilizados e o uso desses recursos ocorreu, invariavelmente, de forma convencional, sem qualquer adaptação, o que não foi suficiente para garantir as reais necessidades dos alunos com síndrome de Asperger. 

 

          Os resultados sugerem a necessidade e carência de apoio e colaboração às famílias e aos professores na atuação junto a esses alunos. Oferecer suporte e ampliar o uso de recursos da tecnologia assistiva na escola poderia promover a aprendizagem, por meio da utilização de recursos adaptados de acordo com as necessidades de cada aluno.      

  

Título original do artigo: Relações entre o perfil comunicativo de crianças com síndrome de Asperger e estratégias de professores

 

Autores do artigo completo: Drª Maria Cláudia Brito, Drª Débora Deliberato e Dr Kester Carrara

 

CLIQUE AQUI E ACESSE O CONTEÚDO COMPLETO: http://www.periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/4062

 

SEJAM SEMPRE BEM VINDOS AQUI! OS SENHORES SÃO MEUS CONVIDADOS E FIQUEM À VONTADE PARA DEIXAR SEUS COMENTÁRIOS SE ASSIM DESEJAREM! ABRAÇOS! Drª MARIA CLAUDIA BRITO

 

Maria Claudia Brito -

Fonoaudióloga, Pós-Doutora e Doutora (PhD) em Educação, Mestre em Psicologia (todos com ênfase em Autismo), UNESP/SP. Professora Universitária, Pesquisadora do CNPq/SET-A em Autismo, Robótica e Linguagem e do Grupo de Pesquisa CNPq Diferença, Desvio e Estigma, UNESP/SP. Editora-Chefe do Saber Autismo.

Voltar